Sunday, August 30, 2015

Open Your Heart to Mercy and Forgiveness

Link
A compilation

Audio length: 10:36
Download Audio (9.7MB)

God’s mercy is endless, from everlasting to everlasting! His love and mercy and forgiveness and salvation never end! He never stops loving us, no matter what we do. He never rejects us or withdraws His love. He always has hope for us, no matter how far we’ve strayed.1

In spite of our sins and shortcomings and misdeeds and crimes, whatever they may be, the blood of Jesus covers all our sins, past, present, and future. If we will forsake our sin and turn to the Lord, our God will abundantly pardon.2 The Bible says, “If we confess our sins, He is faithful and just to forgive our sins.”3 No matter what we have done! The only “unpardonable sin” is a refusal to believe in Jesus, rejection of Him as your Savior.

We have a God big enough to forgive not only our mistakes but our sins! He always has and always does and always will, forever and ever and ever! Like a stream, like a river, His love and mercy just keep flowing no matter what!—David Brandt Berg

*

Have you ever heard about Jesus’ encounter with a certain wealthy businessman of Jericho?4

Zacchaeus, the man in our story, was quite an infamous character, especially when contrasted with the many devoutly religious figures who walked the streets of Jericho, “the city of priests.”

He was the wealthy head of a large office of government tax collectors, and to the Jews, tax collectors (or publicans, as they were called) were the absolute lowest of the low, only to be compared with common prostitutes. Well known for being cheaters, extortionists, and robbers of the poor, these men were also considered traitors to their brethren, since, though they themselves were Jews, they worked for the much-hated government of Rome.

Here was a man with governmental authority to bleed from the people as much tribute as possible, and anything he could gouge from them above that went straight into his own pocket.

But one day something happened that completely changed all this for Zacchaeus. He had already heard all about Jesus and the many miracles which He’d performed, yet even more fascinating was the fact that, like himself, Jesus also had a bad reputation and was known to be a friend of publicans and sinners. In fact, one of Jesus’ own disciples, Matthew, had one time been a tax collector in Capernaum!

For some time Zacchaeus had wanted to meet the “carpenter-turned-prophet.” Would Jesus be my friend too?” he wondered. He had no real friends outside of his immediate family, and recently he’d begun to feel quite dissatisfied. He’d begun to realize that it took much more than wealth to bring true warmth and satisfaction. After all, he had practically everything money could buy, but something was missing. Exactly what, he wasn’t sure.

Then one day Jesus passed through Jericho. When Zacchaeus heard that He was in town, he dropped everything, closed up his office, and hurried off to see for himself. A large crowd, with Jesus in their midst, was already moving slowly down the road, but poorZacchaeus was so short he couldn’t see a thing. Quickly he spotted a large sycamore tree up ahead of the crowd. As Jesus passed by, maybe he could see him from that tree. Zacchaeus ran past the crowd and scurried up into the tree.

When Jesus finally reached the tree where Zacchaeus was, Jesus called, “Zacchaeus, hurry and come down. I must stay at your house today!”

“Wha … what did He say?” Zacchaeus was shocked! “He called me by my name! He wants to stay at my house?” He answered, “Why, this is an honor! Please do come to my house! You’re so very welcome!” And Zacchaeus joyfully escorted Jesus to his home.

By the time they arrived, the crowd that followed stood outside murmuring indignantly, “How could He, Jesus, come to our fair city, a center for religious training, and yet choose to lodge with such a scoundrel as that?”

Then Jesus exclaimed, within earshot of the grumbling crowd outside, “Today salvation has come to this house! For truly the Son of Man came to seek and to save that which was lost!” It didn’t matter how bad Zacchaeus had been before; the Lord’s love was more than enough to forgive.—Adapted from an article in Treasures5

*

The people of Jericho were very annoyed with Jesus when he visited Zacchaeus in his own home, “They all complained when they saw what was happening. ‘He has gone to stay at a sinner’s house,’ they said.”6 But the attitudes of others never prevented Jesus from welcoming sinners. So no matter what people think of you, remember that Jesus is always waiting for you to turn to him. He is full of mercy and compassion and never refuses anyone, no matter what their past. … Jesus said, “The Son of Man has come to seek out and save what was lost.”7 On another occasion Jesus said he did not come to call the righteous but sinners to repentance.8 Jesus spent so much time with sinners during his ministry that a rhyme was made up about him: “Behold a glutton and a drunkard, a friend of tax-collectors and sinners.”9

The leaders of the Jewish religion, the scribes and Pharisees, complained about Jesus because of his ministry to sinners. So he told parables about God’s mercy, the parable of the shepherd searching for the lost sheep,10 the parable of the woman sweeping the house to find the lost coin,11 and the parable of the prodigal son being welcomed back by his father.12 Jesus said there is more joy in heaven over one repentant sinner than over ninety-nine virtuous who have no need of repentance.13 … [Let us also] talk of God’s mercy, “You are merciful to all, because you can do all things and overlook men’s sins so that they can repent. Yes, you love all that exists, you hold nothing of what you have made in abhorrence.”14 Our Psalm also assured us of God’s mercy, “The Lord is kind and full of compassion.”15

Jesus is knocking at the door of your heart. Will you, like Zacchaeus, open the door and welcome Jesus in? There is a most beautiful verse in Revelation 3. Jesus says, “Look, I am standing at the door, knocking. If one of you hears me calling and opens the door, I will come in to share a meal at that person’s side.”16 It is up to you to open the door to Jesus; he will not force his way in. If you open the door of your heart to Jesus, it will be worth it.

When you meet Jesus, you will not remain the same afterwards. You will want to give up sin and live a new life of grace. … If you really meet Jesus, you will be different. That is what happened to Zacchaeus. He would no longer cheat in the taxes. He promised, “I am going to give half my property to the poor, and if I have cheated anybody I will pay him back four times the amount.”17 When we receive the forgiveness of Jesus we are transformed. Let us turn to the mercy of Jesus and be healed of our sins and renewed and transformed.—Fr. Tommy Lane18

*

O Jesus, You’re so patient and loving with us all. You have dealt with us in great love. We are as a brand snatched from the burning and lifted up from the dust and nothing. We thank You for Your love, Lord, how much You loved us. You didn’t fail us. You didn’t give up on us, even though we looked like a hopeless case.

“For a little while I have forsaken thee, but with loving kindness and tender mercies have I gathered thee.”19 “For My mercy is from everlasting to everlasting, and so will I have mercy upon

thee.” “Let the wicked forsake his way, and the unrighteous man his thoughts: and let him return unto the Lord, and He will have mercy upon him; and to our God, for He will abundantly pardon.”20 “For though your sins be as scarlet, they shall be white as snow, and though they be red like crimson, they shall be as wool!”21

“Jesus paid it all, all to Him I owe! Sin had left a crimson stain, He washed it white as snow!” God’s mercy seems to be unlimited. His love is boundless. Praise God!—David Brandt Berg

Published on Anchor August 2015. Read by Debra Lee.



1 Psalm 103:3–14.


2 Isaiah 55:7.


3 1 John 1:9.


4 See Luke 19:1–10.


5 Published by The Family International in 1987.


6 Luke 19:7


7 Luke 19:10.


8 Luke 5:32.


9 Luke 7:34.


10 Luke 15:3–7.


11 Luke 15:8–10.


12 Luke 15:11–32.


13 Luke 15:7.


14 From the New American Bible.


15 Psalm 145:8.


16 Revelation 3:20.


17 Luke 19:8.


18 http://www.frtommylane.com/homilies/year_c/31.htm#confession.


19 Isaiah 54:7–8.


20 Isaiah 55:7.


21 Isaiah 1:18.

À Imagem e Semelhança de Deus

Link
P. Amsterdam

Disse Deus: “Façamos o homem à Nossa imagem, conforme a Nossa semelhança” … Assim Deus criou o homem à Sua imagem, à imagem de Deus o criou.[1]

Os seres humanos (macho e fêmea) foram criados à imagem e semelhança de Deus. Deus estava comunicando que ia criar seres como Ele. Não disse que seriam exatamenteiguais a Ele ou que aqueles que estava prestes a criar seriam divinos como Ele é, mas que os seres humanos seriam de algumas formas similares a Deus

Seres humanos foram criados para terem similaridades com Deus. Apesar de Adão e Eva terem pecado e se separado de Deus, e de toda a humanidade estar separada de Deus pelo pecado, não se perdeu completamente a semelhança com Deus. Após destruir toda a humanidade, exceto Noé e sua família no Dilúvio, Deus reiterou haver criado os humanos à Sua imagem. O Novo Testamento também fala da semelhança entre Deus e os homens:Deus fez o homem à Sua semelhança.[2]

Apesar de os humanos ainda serem a imagem e semelhança de Deus, a queda do homem trouxe mudanças. Até então, Adão e Eva viviam em condição de pureza e tinham capacidade de não pecar. Eles podiam escolher pecar, assim como podiam escolher não pecar. Depois da queda, isso mudou. Sua pureza moral acabou e o desejo e habilidade para permanecerem na vontade de Deus foi distorcido. Os humanos passaram a ser pecadores por natureza e, apesar de poderem optar por não pecar às vezes, o pecado é parte da sua natureza e não possuem a habilidade para não pecar. Ainda são criaturas segundo a imagem de Deus, mas esta foi alterada pelo pecado.

A natureza humana original é a que existia antes da queda do homem e foi corrompida pelos efeitos do pecado. Felizmente, nós, cristãos, podemos combater alguns dos efeitos de nossa natureza degradada quando acreditamos, obedecemos, internalizamos e aplicamos a Palavra de Deus. Quando houver a ressurreição dos mortos e os cristãos ressurgirem em glória e se reunirem aos seus corpos, seremos libertados dos efeitos da natureza do homem resultante da sua queda.


Características exclusivas da humanidade

Como os humanos são as únicas criaturas que Deus diz ter criado à Sua imagem e semelhança, são significativamente diferentes de todo o restante da criação animal. Apesar de os animais terem alguns elementos dessas características ou as ter em diferentes graus, a presença delas no homem é quantitativamente superior.

Assim como Deus é um ser plural na Trindade, os seres humanos refletem parte dessa pluralidade em que o homem e a mulher, sendo dois, se tornam uma só carne pelo casamento. Os humanos são seres pessoais. Interagimos e estabelecemos relacionamentos complexos uns com os outros

Temos consciência; estamos conscientes de nós mesmos, da nossa existência. Podemos nos conhecer, nos examinar e nos julgar. Somos seres morais e temos um senso interior de certo e errado

Possuímos livre arbítrio e autodeterminação. Temos a habilidade de escolher entre várias opções e, feito isso, avançar para a realização da meta escolhida

Nossos espíritos invisíveis imateriais são imortais. Deus sempre existiu e a imortalidade é parte da Sua essência, e, feitos à Sua semelhança (apesar de não sermos exatamente como Ele), o espírito dos seres humanos são imortais, no sentido de que viverão para sempre após se separarem dos respectivos corpos, no ato da morte.

Somos criaturas racionais, com a habilidade de pensar logicamente, raciocinar e estar consciente do passado, presente e futuro. Vivenciamos uma grande variedade de emoções.

Somos criativos. Não criamos no mesmo nível que Deus cria, mas somos dotados de criatividade de ideias e pensamentos e, assim, podemos “criar” música, arte ou literatura. Além de gerar ideias, podemos produzir as possibilidades de as materializar. Usamos uma linguagem complexa para nos comunicarmos.

Há outras maneiras de a imagem e semelhança de Deus se manifestarem na humanidade, mas estas são algumas das mais importantes.


A bondade original

A Bíblia diz que quando Deus concluiu a criação disse que tudo que Ele havia feito era muito bom. Isso incluía Adão e Eva. Lemos também nas Escrituras que Ele os fez justos.

Viu Deus tudo o que tinha feito, e que era muito bom. E houve tarde e manhã — o sexto dia.[3]

Como foram considerados muito bons, e tinham elementos de conhecimento, integridade e santidade, entende-se que Adão e Eva não foram criados em um estado de inocência com neutralidade moral, mas que eram moralmente íntegros. Do momento em que foram criados até pecarem Adão e Eva eram moralmente íntegros e capazes de não cometerem pecado.

Quando Adão e Eva pecaram, continuaram sendo à imagem e semelhança de Deus. Contudo, não tanto quanto antes. Não eram mais moralmente íntegros, como haviam sido, pois haviam desobedecido ao mandamento de Deus, corrompendo a natureza humana original.

Isso também mudou o relacionamento com Deus, pois foram expulsos do Éden e impedidos de retornar, “para que não estenda a mão, e tome também da árvore da vida, e coma e viva eternamente.” Nesse momento, a morte física passou a fazer parte da humanidade. Como Deus lhes disse que se comessem da árvore do conhecimento do bem e do mal certamente morreriam, conclui-se que se não o comessem do fruto dessa árvore não teriam de morrer. As Escrituras não nos dizem exatamente como isso aconteceria, mas expressa que a morte entrou na humanidade em consequência do pecado.


O plano de Deus para salvação

O fato de Adão e Eva haverem pecado trouxe mudanças na humanidade de proporções épicas. As consequências de seus pecados trouxeram uma separação entre Deus e a humanidade. Causou uma distorção e degradação da imagem de Deus no homem, de forma que este deixou de ser moralmente puro, e fazendo o homem viver em um estado de pecaminosidade, não mais capaz de não pecar. Por isso, a Palavra de Deus diz que todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus.[4]

O espírito humano vive além da morte do corpo físico, mas este volta ao pó, conforme a sentença de Deus pelo pecado.

As consequências do pecado na humanidade estão profundamente legadas ao plano de Deus para a salvação. Na encarnação, morte, ressurreição e volta de Jesus, essas consequências são superadas. Sua morte e ressurreição trouxeram a salvação de nossas almas, o que significa que os pecados da humanidade foram expiados por Cristo e esse perdão está disponível a todos que O aceitarem. A separação entre Deus e o crente já não mais existe, pois a morte de Jesus trouxe a reconciliação entre Deus e os que receberam Seu Filho.

A vós também, que noutro tempo éreis estranhos, e inimigos no entendimento pelas vossas obras más, agora, contudo, vos reconciliou no corpo da sua carne, pela morte, para perante Ele vos apresentar santos, e irrepreensíveis, e inculpáveis.[5]

Pois se nós, quando éramos inimigos, fomos reconciliados com Deus pela morte de seu Filho, muito mais, estando já reconciliados, seremos salvos pela sua vida. Não somente isto, mas também nos gloriamos em Deus por nosso Senhor Jesus Cristo, por intermédio de quem agora alcançamos a reconciliação.[6]

Os corpos de todos os crentes morrem, mas à volta de Jesus, serão ressuscitados (os corpos dos crentes que estiverem vivos nesse momento serão imediatamente transformados), e seus espíritos se unirão aos seus corpos e os corpos ressurretos e, corpos e espíritos, juntos, viveram para sempre.

Por meio do amor, graça e misericórdia de Deus, manifestos na morte e ressurreição de Jesus, os humanos receberam a oportunidade de superar todos os efeitos de seus pecados e da natureza pecaminosa. A morte física será derrotada conforme nos levantarmos dos mortos e recebermos nossos corpos ressurgidos e imperecíveis. A separação espiritual causada pelo pecado deixará de existir e a comunhão com Deus será plenamente restaurada. Em vez de sermos como o primeiro homem, o homem de pó, Adão, seremos como o homem do Céu, Jesus,[7] e refletiremos a Sua imagem.[8]

Publicado originalmente em julho de 2012. Adaptado e republicado em agosto de 2015.


[1] Gênesis 1:26–27.

[2] Tiago 3:9.

[3] Gênesis 1:31.

[4] Romanos 3:23.

[5] Colossenses 1:21–22.

[6] Romanos 5:10–11.

[7] 1 Coríntios 15:47.

[8] 1 Coríntios 15:49.